Livros resenha

Resenha do livro “O Ponto da Virada” de Malcolm Gladwell

No livro O Ponto da Virada o jornalista Malcolm Gladwell trata sobre epidemiais sociais: ideias, mensagens e situações que se tornam virais. Neste post destaco 5 pontos essenciais para entender como mensagens viralizam.

Uma análise psicológica de como viralizar mensagens

AutorMalcolm Gladwell
OrigemCanadá
Ano2010
Nota no GoodReads3.97/5.00
Nota do Aprendiz Moderno9/10
Ficha Técnica

Caiu no zap.

Quem nunca recebeu uma mensagem seja ela uma notícia (ou Fake News), um meme ou uma história e rapidamente compartilhou com diversos grupos? Nossas mães que o digam.

Porém, não é qualquer mensagem que viraliza assim tão fácil. Será que existe um padrão?

O Ponto da Virada entra em detalhes de quais elementos estão presentes em situações que viralizam e como podemos fazer intencionalmente para desencadear nossas próprias epidemias positivas.

Uma ferramenta essencial para quem quer crescer na vida. Afinal se o foco do Aprendiz Moderno é trazer valor para a sociedade – já que mais valor significa mais sucesso – então entender como mecanismos de distribuição de ideias funcionam pode ser uma habilidade importantíssima.

E sim, é uma habilidade e como qualquer coisa na vida precisa ser treinada.

O autor Malcolm Gladwell escreve em uma leitura tranquila como pequenas mudanças geram um efeito exponencial fazendo um mercado, uma comunidade ou até mesmo o mundo todo entrar em ebulição.

Abaixo listo meu top 5 destaques do livro

1 Os principais papéis que as pessoas tem numa epidemia social

O Ponto da Virada trata sobre epidemiais sociais ou como mensagens viralizam – Foto por Christian Wiediger

Através de diversas histórias, Malcolm descreve a presença de pelos menos três tipos de pessoas em qualquer epidemia social:

Comunicadores

Comunicadores são as pessoas que conhecem muita gente. Mas muita gente mesmo. Pessoas que trabalham com redes sociais gigantescas. Todos nós temos aquele amigo/amiga blogueirinha que tem um zilião e meio de seguidores nas redes sociais.

Esses são os comunicadores: pessoas com uma facilidade incrível de fazer novos amigos. Pessoas que levam essa questão de conhecer pessoas novas como se fosse um esporte.

Experts

O segundo tipo são pessoas literalmente experts em algum assunto. Aquela pessoa que não só gosta de motos, mas só pelo barulho do motor sabe o nome, modelo, cor e ano.

Pessoas que passam horas e horas pesquisando sobre um assunto e não vão medir esforços para tentar te ensinar. Aquele amigo que você procura quando vai comprar um computador novo (eu sou esse amigo).

Vendedores

E por fim, os vendedores. Aqueles que são capazes de convencer as pessoas mesmo quando elas estão com pé atrás. Aquele conhecido que está sempre tentando te vender alguma ideia tipo ir no CrossFit, investir em Bitcoin, etc.

Mesmo que não ganhe nada com isso, esse tipo de pessoa não mede esforços para mostrar o lado bom de alguma coisa, principalmente quando você está em dúvida se vai ou não vai.

E por que esses três tipos de pessoas são necessários?

2 As três regras que regem uma epidemia social

Segundo o autor, existem três regras que regem uma epidemia social. No livro ele conta diversas histórias onde foram feitas pesquisas para identificar a origem destas epidemias como por exemplo o surto de sífilis em Baltimore (EUA) na década de 90.

Regra dos Eleitos

Em qualquer viralização de ideias, produtos ou serviços são necessários os três personagens mencionados anteriormente: Comunicador, Expert e Vendedor.

Os Experts são os que primeiro descobrem as novidades: o novo app que saiu, a novidade do verão, o novo modelo de maquiagem, etc. Eles são geralmente os que estão dispostos a testar as coisas novas.

Aí entram os Comunicadores. Não basta só ter algumas pessoas usando o produto (Experts), a novidade tem que cair nas redes de um Comunicador (ou pseudo-influencer) e logo essa informação se espalha pelos quatro cantos do mundo.

E por fim as pessoas do tipo Vendedor são as que testam o produto, a informação ou o que seja. E não só usam como tentam convencer suas redes a usarem sejam familiares, amigos próximos, pessoal da escola, etc.

E aí aqueles que estavam em cima do muro – o famoso “será que é bom mesmo?” – começam a usar e este é o Ponto da Virada.

Mas isso não funciona com qualquer produto.

Fator de Fixação

Além dos três personagens é necessário ter uma mensagem forte. Pois convenhamos seu amigo pode ser o Felipe Neto, mas se ele compartilhar alguma ideia sua que não for memorável ela vai logo perder força (ou talvez não, tem gente que compra até o boneco do Felipe Neto).

O segredo é ter uma mensagem que fixe na cabeça das pessoas e as faça agir.

Memes são facilmente esquecidos, porém notícias sensacionalistas ou eventos raros são compartilhados mais vezes por ter uma mensagem mais forte e que leva outras pessoas que não são tão Vendedoras a compartilhar o assunto e não o deixar morrer.

No livro, o autor conta a fantástica história do programa de TV Vila Sésamo (versão americana) – você pode não ter assistido, mas com certeza já viu alguma referência como o Cookie Monster.

Cookie Monster da Vila Sésamo / Artista: DISOH

O programa foi exaustivamente testado para passar uma mensagem com alto poder de fixação e acabou se tornando um dos programas de TV infantis mais lembrados da história.

Poder do Contexto

Fazer com que a mensagem chame a atenção é essencial para ela se tornar viral – Foto por Brooke Cagle

O terceiro, e não menos importante, ponto que rege uma epidemia social é o Poder do Contexto. Ou seja, dependendo do contexto que a mensagem é inserida o resultado pode ser totalmente diferente.

Por exemplo, atualmente tem se falado muito sobre o Coronavirus (COVID-19). Obviamente, notícias relacionadas a este tópico irão viralizar muito mais facilmente que notícias fora de contexto com o atentado terrorista de 2001 nos EUA.

Ambas são histórias marcantes, porém uma está muito mais viva no contexto atual. Logo esta tende a viralizar com maior probabilidade.

E isso nos leva ao próximo ponto.

3 Como pintar o metrô reduziu o crime de Nova Iorque

Metrô de Nova Iorque nos anos 70 – Fonte: U.S. National Archives

O contexto no qual a mensagem é compartilhada tem tanto poder que pode alterar o rumo de uma cidade como Nova Iorque. Nos anos 70, a cidade de Nova Iorque era considerada uma das mais violentas nos Estados Unidos. Seus metrôs eram super perigosos e abandonados.

E um dos chefes da polícia local chamado William Bratton conseguiu através de mensagens simples ajudar a reduzir o crime para níveis super baixos.

William focou parte dos seus esforços em manter o metrô sempre limpo e organizado e isso desencadeou uma sequência de atividades que ajudaram a reduzir o crime na cidade absurdamente.

Ele utilizou o que é chamado de teoria das janelas quebradas que diz que o crime é resultado da desordem.

Se uma janela está quebrada e não é consertada, quem passa por ali pode achar que ninguém se importa. Logo, as pessoas se sentem mais confortáveis em desorganizar o ambiente, praticar crimes entre outros.

Para mim uma história bem legal sobre como pequenas mensagens podem causar grandes impactos.

4 Por que o cigarro ainda é popular?

A popularidade do cigarro ainda está ligada a influência dos amigos – Photo by Mikail Duran

Outra discussão interessante é o caso do tabagismo entre adolescentes.

Os governos proíbem propagandas de cigarro, proíbem marcas de ficarem visíveis em padarias ou mercados e colocam mensagens sobre o impacto na saúde e mesmo assim pessoas ainda fumam.

Segundo Malcolm, o problema todo está no fato de que parar as propagandas não corta o mal pela raiz. Afinal, como já sabemos, para uma mensagem se alastrar as três regras mencionadas no item 3 precisam estar presentes. E com relação ao cigarro elas ainda estão.

As pessoas fumam e não é porque não sabem o mal que isso faz. Ou não é porque idolatram uma marca de cigarro X ou Y. É por que os Vendedores estão presentes no dia-a-dia dos adolescentes.

E quem são eles? Os amigos descolados, a turminha popular que como ato de revolta fuma. E esses são os mensageiros que transmitem a “epidemia do tabagismo”.

Fica claro que o papel do influencer é muito maior que o do governo tentando acabar com isso ou mesmo dos próprios pais tentando falar para os filhos não fumarem.

Há ainda pesquisas que mostram como existe um perfil específico para pessoas que se tornam fumantes dada sua personalidade e onde se encaixam nos diversos grupos sociais.

5 O poder da ação inteligente

Da igreja para o salão de beleza.

Uma mulher chamada Georgia Sadler era uma ativista que queria criar um movimento de prevenção do câncer de mama e diabetes em uma comunidade de uma cidade americana.

Ela tentou o óbvio. Tentar utilizar a Igreja para criar o movimento. O fato que as pessoas iam a missa parecia ser a oportunidade perfeita para falar sobre o assunto.

O problema era bem simples: ninguém se importava. Das mais de 200 pessoas que iam no culto, nem 20 queriam ficar para ouvi-la.

Pensando no contexto e em como poderia fazer isso de uma maneira mais inteligente ela decidiu mudar a estratégia. Ela precisava de alguém que fosse um pouco Expert, porém Comunicador e Vendedor.

Acabou encontrando o perfil perfeito. Sabe onde? No salão de beleza! Isso mesmo, pois pare para pensar. No salão de beleza as mulheres podem chegar a passar horas. Os cabeleireiros tem uma relação muito íntima com suas clientes. Ninguém gosta de ficar trocando de cabeleireiro.

Ao explicar e convencer as cabeleireiras sobre os perigos do câncer de mama acabou tendo sua mensagem espalhada como fogo no palheiro. Em poucas semanas todas mulheres da comunidade estavam falando sobre o assunto.

Pontos de virada são uma motivação para as pessoas que querem mudar o mundo. Foco e inteligência quando colocados no lugar certo podem mover montanhas.

Basta apenas um empurrãozinho no lugar certo e tudo muda.

Conclusão

A incessante busca por likes e a psicologia da viralização – Foto por George Pagan III

Uma leitura recheada de histórias interessantes e que nos faz entender que nem tudo acontece por acaso, na verdade, pouca coisa acontece por acaso.

Por que alguns produtos, ideias ou comportamentos viralizam e outros não? O que precisamos ter para criarmos situações nas quais nossas ideias conseguem ultrapassar o nosso círculo de amigos?

Este livro te ajudará a entender como viralizar conteúdo de uma maneira abrangente. Não é só online, não é só para influencers. É para todo mundo que deseja criar uma marca na sociedade.

E vai por mim, ter ideias incríveis é fácil, o difícil é fazer com que elas cheguem a quem você gostaria.

Mais uma ferramenta para o sucesso.

Custo? Provavelmente o preço do livro (e frete se comprar online).

Potencial? Ilimitado.

DESAFIO: Identificar o Fator de Fixação e os Experts, Comunicadores ou Vendedores do último produto que se tornou viral nas suas redes sociais recentemente.

Sobre o autor

Malcolm Gladwell – Fonte: Wikipédia

Malcolm Gladwell é um jornalista Britânico criado no Canadá. Seus primeiros cinco livros se tornaram bestsellers internacionais com direito a aparecerem no rank do The New York Times Best Sellers.

Entre eles “Fora de Série”, “Falando com Estranhos” e “Blink – A decisão num piscar de olhos”.

Também é criador de um podcast chamado Revisionist History que é constantemente mencionado em entrevistas por milionários e CEOs do mundo inteiro.

Seus livros são sempre recheados de pesquisas acadêmicas nas áreas de ciências sociais, psicologia e sociologia.

Comente o que achou desta análise!

0 comentário em “Resenha do livro “O Ponto da Virada” de Malcolm Gladwell

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: